19 de junho de 2018

Para ser lido por Humanos!




Se és um ser, consideravelmente, humano, atreve-te a ler tudo e só depois, se estiveres de acordo, partilha!

Cada um de nós pode fazer a diferença, por pouco que seja, entre um Mundo estéril e um Mundo cheio de vida, entre um Mundo infeliz ou um Mundo feliz. Não pensem que não vale a pena fazer um pouco, porque não vai mudar nada, porque MUDA, nós é que não vemos, a mudança é lenta mas acontece!

No ano passado assistimos todos a momentos dignos de um filme de terror, vimos o nosso País a arder e ninguém se demorou a culpar logo os políticos, mas a culpa não é só deles. Nestes dias quentes, ninguém devia fazer queimadas, mas todos sabemos que há quem o esteja a fazer neste momento! Nestes dias ninguém devia atirar um cigarro para o chão, mas quantas pessoas o farão? Nestes dias as pessoas já estão felizes a pensar em praia e piqueniques, quem não gosta? Claro! Todos gostamos! Mas temos que ser racionais e Humanos! Se querem fazer piqueniques, levem a comida já pronta, não vão para um pinhal, mesmo que seja à beira-rio, acender um fogareiro e grelhar uns bifes! Milhares de incêndios no ano passado começaram em zonas de praias fluviais! 

Não vamos deixar que aconteça de novo, já viram quantos incêndios há hoje? No segundo dia de calor de 2018, Já são dezenas por todo o País!! Num cenário surreal de guerra e terror, dezenas de pessoas e centenas de animais morreram queimados e sufocados! Sabem quantas árvores perdemos em Portugal em 2017? Sabem quantos troncos se estendem ao longo dos terrenos de fábricas, prontinhos a ser usados? Não podemos perder mais árvores! Sabem o quanto elas são importantes para renovar o ar que respiramos? Para termos sombra, para termos vida à nossa volta! As árvores não são adornos no Planeta, não é possível viver sem árvores! Ainda há muita gente que não compreende a importância das árvores para a sobrevivência da vida no nosso Planeta. Não pode acontecer de novo e TODOS temos que fazer por isso!

Se todos pensarmos nas nossas acções e agirmos responsavelmente tudo melhorará. São pequenos gestos que fazem toda a diferença!


E, não se esqueçam, neste Verão:

Distribuam água na rua para os animais, digam aos vizinhos e amigos que há opções para os seus animais se tiverem que ir de férias, há família, amigos, vizinhos ou profissionais em todo o país que cuidam dos animais enquanto vão de férias. ABANDONAR JÁ É CRIME e é bom que percebam isto, porque adoptar não é como comprar um peluche numa loja, adoptar é responsabilizar-se por outra vida para sempre! Não há razão nenhuma válida para abandonar um animal! Nenhuma! Só os cobardes e imbecis abandonam animais! Há pessoas a passar fome que não abandonam os seus animais! Há pessoas que nem têm tecto mas não abandonam os seus animais! Se ficaram doentes e não podem cuidar deles então peçam ajuda a alguém, associações, amigos dos animais, não os atirem para a rua! Eles sofrem como nós!

Ajudem a educar as crianças para um dia serem melhores do que nós. Expliquem-lhes estas coisas desde pequenos para elas formarem uma consciência social para a compaixão, para a empatia, para a humanidade.

Não fechem os olhos, não virem a cara, não fujam. Não permitam que os vizinhos, amigos ou familiares acorrentem animais, maltratem animais, abandonem animais, não sejam cúmplices. E se virem animais na rua ofereçam-lhes água, ou distribuam água em sítios com sombra todos os dias nas zonas onde residem, pelo menos. São pequenos gestos que podem salvar vidas.

Ajudem a partilhar e a sensibilizar os outros.



24 de dezembro de 2017

Feliz Natal


Votos de um Feliz Natal para todos.

O meu desejo de Natal é que o Universo possa levar carinho a todos os Animais neste Natal, mesmo aos que estarão sozinhos, fechados às escuras em canis, abandonados na rua ou presos a uma corrente... E que 2018 seja um ano de maior sensibilidade, empatia e respeito por todos os Seres Vivos.

Obrigada a todos os que Ajudam as Crianças, os Animais, os Sem Abrigo, e todos os que necessitam, independentemente de como o fazem, principalmente os que fazem tudo para ajudar mesmo que quando têm que "remar contra a maré". Feliz Natal.

Sandra - PAL


16 de outubro de 2017

Apelo nestes dias escuros


 
Se encontrarem animais a vaguear, assustados ou não, tentem ajudá-los. Levem garrafas de água convosco para darem de beber aos animais que encontrarem. Se possível tentem resgatá-los e resguardá-los de mais sofrimento. Procurem veterinários e associações ou fats para os acolher ou tratar se não o puderem fazer, mas não os deixem na rua. Procurem associações ou fats ou famílias que possam ter libertado animais para os salvar. Ainda está tudo a arder pelo país mas certamente em poucos dias muitas pessoas conseguirão adicionar os animais no encontra-me.org ou outros. Nestes dias escuros temos que fazer todos um esforço extra pelos animais. Há albergues a ajudar pessoas, mas poucos para os animais, por isso temos todos que dar o nosso contributo por eles. E depois pedir contas à justiça, da falta de actuação, da falta de rapidez das entidades responsáveis e principalmente, da falta de justiça contra os criminosos e assassinos que andam causar sofrimento e devastação ao nosso País, às famílias, a todos os que trabalharam uma vida para ter uma casa, às crianças que nem deviam ter que passar por nada parecido, aos animais que são queimados e sofrem escondidos até os encontrarem ou assim morrerem...
Tou farta de "Vamos mudar", "Vamos fazer", "Vamos isto e aquilo" e depois de tudo acalmar, tudo volta à quietude e silêncio normal do comodismo. Há que dizer um basta e bater bem com o pé no chão, até, MAS MESMO, SÓ ATÉ MUDAREM! Haja Justiça em vez de Silêncio!
Sandra - PAL

21 de setembro de 2017

Alergias a Animais - Testemunho



Quando eu ainda era criança fui diagnosticada com rinite alérgica. Poucos anos mais tarde, como espirrava e tinha comichão frequente nos olhos e nariz fui fazer testes a um alergologista, para minha surpresa os testes deram positivo a uma série de coisas, entre elas, alergia ao pêlo dos animais, pólen, ácaros, etc. Nessa altura eu tinha dois gatos, um todo branco que adoptamos quando eu tinha 7 anos, porque ía ficar sem casa quando os vizinhos se mudaram e a minha mãe acolheu-o. O outro, amarelo tigrado, que a minha vizinha do lado tinha "encomendado" à empregada, para afugentar os ratos do quintal, e assim que os ratos se foram embora também queria que o gato fosse, nesta altura eu já tinha 12 ou 13 anos e fechei-me em casa com o gato até a minha mãe chegar para a vizinha não o poder "despachar".

Como eu dizia, nessa altura eu tinha rinite alérgica, descobri que também era alérgica ao pêlo dos animais e tinha dois gatos em casa que eram como meus irmãos.
Os meus pais, os melhores do Mundo para mim, embora tenham nascido na 1ª metade do século passado, digo, com orgulho, que são mais inteligentes, modernos e sensíveis do que muitas pessoas com metade da idade, incluindo médicos.

Os meus pais não puseram os gatos na rua, não os abandonaram, nem tão pouco os puseram cá fora no jardim, nem sequer os afastaram de mim. Simplesmente, fizeram o que poderia melhorar a minha qualidade de vida, dado que a nossa casa era uma daquelas casas vitorianas de alcatifa por todo o lado, a primeira coisa que fizeram foi remover a alcatifa da casa toda, e depois as coisas mais simples e básicas, retirar os peluches e brinquedos expostos no meu quarto que poderiam acumular ácaros. Em relação aos gatos a única coisa que fizeram foi educar-me a passar as mãos por água depois de lhes fazer festas caso precisasse de mexer nos olhos ou de coçar o nariz. Por fim, e a conselho do alergologista, encomendaram umas vacinas, que na altura tinham que vir da Inglaterra (talvez agora seja mais fácil ainda), e durante 3 anos tomei 1 vacina todos os meses, ou seja, 36 vacinas.

Ao longo dos anos deixei de sentir aquela comichão no nariz e nos olhos, e deixei de espirrar se fizesse festas a animais. Há 3 anos atrás, depois de uma reação alérgica alimentar, fui a uma alergologista fazer testes. Depois de mais de 20 anos de ter feito as vacinas fiquei a saber que já não tenho alergias nenhumas a não ser ao pólen das gramídeas. Bem, claro que a minha rinite não se curou, não é possível curar, mas mesmo assim não me impede de beijar e abraçar os meus Animais todos os dias.

Tomem os cuidados necessários pela vossa saúde mas NÃO ABANDONEM OS ANIMAIS, são membros da família, os mais fiéis, e a família não se abandona.

1 de maio de 2017

Uma Porta Aberta para a Mudança



Hoje sinto orgulho no meu País, orgulho em dizer que sou portuguesa. O nosso País reconheceu os animais como sencientes, como qualquer país evoluído, tenho que agradecer a todas as pessoas envolvidas nesta mudança, não só as que tiveram o poder para conseguir mudar a lei, mas também, as que, sem poder algum, lutaram anos e anos, pela palavra, pelos actos, pelas ruas em prol dos Animais.

Há ainda, claramente, em mim, uma pequena sombra de cepticismo, não por causa da lei, mas porque existem muitos crimes impunes, alguns juízes, advogados, polícias, etc etc, que negligenciam crimes, protegem criminosos… Quando vemos, e vou falar apenas do que considero mais grave de todos os crimes nas pessoas, que é cometer qualquer acto que cause sofrimento a uma criança, e dentro desta área apenas, sabemos todos que há milhares de crianças que são vitimas de abusos sexuais ou maus tratos, e que não foram respeitadas pelos membros de justiça, estando em melhor estado que elas, os criminosos que as maltratam, os pedófilos, que muitas vezes nem presos são, e não deveria haver nem um solto sequer. E é por isto que fico preocupada. Num País em que a justiça não protege as crianças devidamente, as crianças que todos dizem que têm que ser protegidas, imaginemos como será a justiça para os animais, na prática desta nova lei, sabendo que metade do país não considera que os animais devem ser protegidos.

Esses animais que estão em canil para serem abatidos porque atacaram crianças e pessoas, vão ser agora perdoados ou ainda serão abatidos à luz da nova lei? Porque a culpa é dos donos que os tornam violentos, que os incitam à violência, que os enfiam em sítios escuros, os penduram pelos maxilares, os acorrentam, os levam para lutas, os maltratam até ficarem violentos que chegue para os seus interesses. O cão tem culpa de ter tanto medo que ataca para se defender?? Quem de nós se se visse ameaçado não se defenderia?  Os cães não devem usar açaime, açaime devem usar os predadores sexuais, os assassinos… O código genético de cada raça de qualquer cão não diz “violento”, qualquer cão pode ser violento se ensinado a tal, se maltratado, qualquer cão pode ser meigo se for tratado com respeito e carinho. Já não basta darmos cabo de tudo com estradas e cimento e betão ainda querem tirar o direito ao cão de quando sai à rua poder cheirar as árvores e as flores, tocar nelas com o nariz, colocar a lingua de fora num acto de alegria, sentir as ervas… Que desumanidade…

Hoje vejo nas notícias, mal a lei entra em vigor que já há autarcas a queixarem-se por não poderem abater os animais! Porque não têm canil! Então o que tinham antes? Um matadouro a tempo inteiro?? Será que esses autarcas saberão que neste país há milhares de associações e não associações de animais que os acolhem e fazem parcerias com as câmaras que não têm espaços para os animais? Bolas… Pensava que os autarcas eram mais cultos e informados! Abate = Assassínio. Já pensaram nisso?

Já imaginaram se a lei fosse igual para as pessoas? Já imaginaram o que era abater pessoas porque são sem abrigo? Já pensaram como seria se os pais só pudessem ter filhos consoante o tamanho da casa, senão iriam buscar os filhos que ocupariam mais que as divisões para os abater? No tempo dos meus avós, não havia tanta pedagogia e tanto mimo material, os filhos dormiam todos no mesmo quarto, eram quatro ou mais raparigas numa cama e quatro ou mais rapazes noutra cama, uns com os pés dos outros na cara, e mesmo assim era felizes.

Eu sei que animais são animais e crianças são crianças, mas ambos são seres vivos com sentimentos não são? Não devemos respeitar e proteger ambos? Não são ambos seres desprotegidos e vulneráveis que precisam de nós?

Não admito que me critiquem por me preocupar com os animais, não admito que me digam que devia preocupar-me com crianças ou com os sem abrigo! Porque essas pessoas que me criticam por ajudar os animais, ajudam menos as crianças e os sem abrigo do que eu e todas as pessoas que se preocupam com os animais! Essas pessoas que criticam quem ajuda os animais são seres insensíveis para pensarem assim, e se são insensíveis também não se preocupam com os problemas sociais que nos rodeiam diariamente, apenas os usam para nos atacarem…

Espero que esta mudança na lei, mude também as mentalidades das pessoas, espero que agora acreditem quando alguém lhes diz que os animais também sofrem. Infelizmente ainda há muita gente que nega os factos, apenas porque quer, e mesmo que lhes digamos que um animal sofre, não sentem empatia, porque não querem saber, porque se acham superiores aos outros seres vivos… Mas não são!

Acho que esta mudança na lei não será uma mudança global, mas será sem dúvida aquela ponte, aquela porta que tentamos abrir estes anos todos e não conseguíamos, uma porta aberta para conseguirmos chegar mais além finalmente, para que os animais comecem a ter uma vida com valor, com justiça, respeitados e protegidos.

Mas isso depende de todos nós. Agora que temos esta porta aberta, cabe-nos a todos nós aproveitá-la para sensibilizar ainda mais as pessoas, principalmente as crianças, levá-los a compreender a dimensão do sofrimento dos animais quando são abandonados, maltratados, acorrentados uma vida inteira (que ainda são aos milhares também), negligenciados, abusados, aprisionados… Agora, mais que nunca, devemos ensinar, educar e sensibilizar todos à nossa volta, pelos animais, que têm mil palavras num olhar, mas nenhuma voz para as contar.

É hora de caminhar, passar a porta e ultrapassar as barreiras que nos foram impostas até hoje para os proteger. Pelos Amigos Leais (PAL), os Animais, SEMPRE!

Sandra M. - Projecto PAL

25 de abril de 2017

Manifesto: Carta aos Animais

Carta aos Animais



 

 Hoje quando acordei, estava tudo silencioso, não tinha gatos nem cães em cima da cama, nenhum me veio cumprimentar ao acordar, estranhei. Espreitei o berço da bebé e ali estavam eles, do outro lado do berço, os três gatos e os dois cães, sentados a observar a bebé a dormir tranquilamente.

Quando me levantei, olharam para mim, os olhos tinham perguntas.

Nos olhos deles eu via que eles não entendiam porque é que não tinham filhos, como eu, as lágrimas alagaram-me os olhos, eu senti as dúvidas e os medos deles como um rasgo no meu coração.

Sentei-me junto deles ao lado do berço, e expliquei-lhes o melhor que pude, mas uma justificação não significa que é uma razão justa ou válida. No entanto, eles entenderam e fizeram-me sentir que eu devia dizer o mesmo que lhes disse a todos os outros animais. Então decidi escrever uma carta.





Queridos Animais:





Decidi escrever-vos esta carta porque acho que merecem uma explicação, ainda que não sirva de conforto. Como imagino que já perceberam, a população de seres humanos é enorme e crescente, mas a quantidade desses seres que são realmente Humanos, que cuida e se preocupa com os animais, é apenas uma pequena fracção.

Embora, esta população de ditos humanos tenha destruído e modificado, milhões de habitats, continuam a pensar que mandam no Planeta, por mais injusto que seja, tanto para os seres vivos que chegaram muito antes deles como para todos os outros seres vivos que têm que “partilhar” o mesmo Planeta com estes seres destruidores e desumanos que se apelidam de humanos e dos quais eu também faço parte...

Eu entendo-vos e sinto empatia pelo vosso sofrimento. Quem destrói não merece nada, vocês não arrancaram árvores para plantar chaminés, não inundaram rios com químicos, nem oceanos com plásticos… Vocês fizeram tudo certo, e nós, seres humanos fizemos tudo mal, e, mesmo assim, consideramo-nos os donos de tudo, da Natureza, dos Animais, dos Ecossistemas, do Planeta… e como não chega, ainda queremos ser donos, também, do Espaço.

Num mundo comandado por seres humanos, uma arca de Noé acabaria por se afundar propositadamente, para aproveitarem a madeira para qualquer coisa supérflua. Isto, só para terem uma ideia de como são esses seres que deveriam ser apelidados de desumanos.

Há um longo caminho a percorrer na educação para a empatia, para que aumentem os seres Humanos e diminuam os DEShumanos. Cada vez que um cão ou gato tem filhos, os bebés correm o risco de irem parar a um canil, à rua ou às mãos daqueles desumanos que pensam que os animais são peluches ou objectos. Pois infelizmente, até a lei manda dentro das nossas próprias casas, e tira-nos o direito de abrigar mais que um número muito limitado de animais.

Claro que isso não acontece com os humanos, podem ter mais de quinze filhos na mesma casa, que não arrancam as crianças aos pais, não as mandam para a rua nem as deixam num canil, presas, atrás de grades, como se fossem criminosas por terem simplesmente nascido.

Sabem, há seres humanos que abandonam os próprios filhos, que maltratam e violam os filhos, que os deitam num contentor do lixo ou numa berma da rua... Se são tão crúeis com os próprios filhos, nunca poderão fazer bem nenhum a qualquer outro ser vivo...

É verdade que é injusto e não natural não poderem ter filhos, mas sei que seria terrível para vocês terem filhos todos os anos das vossas vidas, sabendo que iriam sofrer na maioria, que nunca mais os voltariam a ver, sem saberem se estariam vivos; que seriam presos em canis sem luz, sem espaço, sem amor; ou sofreriam cruelmente, nas ruas ou nas mãos de alguém desumano, que maltrata, que negligencia, que abandona um animal, depois de habituado a um lar, sozinho na rua, de dia e de noite, magoado, frágil, com frio, com sede, sem saber como se defender ou sobreviver...





O mundo talvez nunca venha a ser justo com os animais mas os meus gatos e os meus cães, poderiam ter a certeza de uma coisa, que eu jamais os abandonaria. Os meus filhos seriam também um bocadinho deles e os adorariam como os guardiões e heróis mais queridos do Mundo.

Ser mãe ou pai, vai além da questão biológica, ser mãe ou pai é amar e cuidar incondicionalmente. E isso os animais fazem melhor que os humanos, fazem-no de forma inata, fazem-no com qualquer ser vivo, igual ou diferente deles, sem racismo, sem pretensões, apenas por amor.

Quem sabe no futuro este planeta seja um Mundo melhor para os animais, mas para já, enquanto os seres DESumanos não conseguem ser verdadeiramente Humanos, a esterilização é o único caminho a percorrer para o fim de um mundo de crueldade para com os Animais...




 

11 de agosto de 2016

Nestes dias terríveis de inferno nacional


Nestes dias terríveis de inferno nacional pedimos a todos que se lembrem dos Animais.
Não deixem Animais acorrentados nem presos, nem fechados se os fogos ameaçarem.
Distribuam água pelos Animais e Ajudem as Associações neste momento tão difícil para todos. Obrigada


27 de junho de 2016

E a crueldade continua na China

Sim, as imagens são fortes
Sim, as pessoas queixam-se que não se devem colocar imagens chocantes na internet
Sim, as pessoas não querem ver estas atrocidades

Mas NÃO! Não pode ser tudo como queremos!
DEVEMOS VER, porque fazemos parte desta raça "humana", a dita raça que comete estes crimes,
DEVEMOS SENTIR, porque apenas nós temos voz, que pode ajudar a salvar estes animais inocentes.

TEMOS QUE OLHAR e VER, para SENTIR e COMPREENDER que NÃO PODEMOS FECHAR OS OLHOS NEM A BOCA, e NÃO PODEMOS JAMAIS, VIRAR AS COSTAS, só porque é mais fácil.

Como podemos MELHORAR O MUNDO, se taparmos sempre os olhos? Se virarmos sempre as costas? Se não mostrarmos a crueldade que existe à nossa volta?

OLHEM, VEJAM, SINTAM, FALEM SOBRE ISTO, REVOLTEM-SE contra o Festival Yulin!



"A compaixão pelos animais está intimamente ligada a bondade de carácter,

e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem."

.

Arthur Schopenhauer